Pular para a barra de ferramentas

O viés do “não inventado aqui”

Constantemente temos contato com projetos, práticas e ideias inovadoras. Procuramos – na medida do possível – explorar, divulgar e “iluminar” algumas delas, na expectativa que sejam praticadas e replicadas por toda a administração pública, em suas três esferas e poderes.

Não somos proprietários dessas ideias e tampouco queremos atuar como uma catraca (pedágio) para que sejam implantadas nas instituições.

Algumas resistências para que as ideias não aconteçam são bem conhecidas: as dificuldades burocráticas, falta de recursos, incapacidade de pessoal e etc. Porém, existe uma outra espécie de barreira pouco explorada que também é prejudicial à inovação, é esta barreira que vou desenvolver nas próximas linhas.

O viés do “não inventado aqui”

*Viés cognitivo é a tendência humana de cometer erros sistemáticos em certas circunstâncias baseados em fatores cognitivos ao invés de evidências.*

A lentidão em adotar ideias inovadoras valiosas (já existentes e praticadas) em algumas instituições, é algo curioso e inexplicável. Essa “forma de burrice” não se limita a nenhum governo específico, esfera ou poder. A inovação não acontece, simplesmente pois “não foi inventada aqui”, nada mais.

Considere que estamos partindo de um pressuposto em que fatores importantíssimos como tecnologia e trabalho estão disponíveis e acessíveis. Mesmo que, em uma observação aprofundada possam estar relacionadas ilicitudes e desvios de conduta(corrupção e favorecimentos de contratos) para que as ideias não aconteçam, não vamos considerar estes elementos na nossa história:

Um novo sistema de gestão

Olá Sr.______ (coloque aqui um nome e um cargo). Você conhece essa solução em que a população auxilia na gestão da sua cidade?
Hmmm, não conheço mas já ouvi falar de algo parecido…
Então, é bem simples de utilizar e a população vai gostar bastante de saber que sua instituição aderiu a plataforma.
Que ótimo (aqui começa o viés)! Vou marcar uma reunião com a área responsável e vamos criar um departamento para desenvolver este projeto (como se não estivesse pronto).
Mas Senhor, o projeto está pronto é só assinar.
Nada disso, temos que dar a “cara da instituição”, vamos nomear uma equipe e eles vão desenvolver algo semelhante, mas a nossa solução vai ser para a população auxiliar na gestão da cidade!
Exatamente o que eu disse no começo Sr… Temos isso pronto para vocês, outras instituições já estão fazendo desse jeito.
Não, é diferente…Obrigado e parabéns pelo trabalho, qualquer coisa entramos em contato. Quando lançarmos a nossa vocês podem ser nossos parceiros, certo?

Qualquer solução, desde que seja a minha

O viés do “não inventado aqui” é pessoal, porém acaba maculando as instituições. Uma maneira de entender o forte apego às próprias crenças, falas, processos e práticas é monitorando o fenômeno dos acrônimos nas instituições. Eles proporcionam a sensação de conhecimento secreto e exclusivo, uma linguagem cifrada única e importante que protege a entrada de outras ideias no círculo fechado de quem está dentro.

Repare em sua instituição (e nas outras) a quantidade de siglas em projetos e departamentos que poderiam certamente trabalhar em conjunto, facilitando a gestão do conhecimento e a inovação. A busca acaba sendo pela autoria e não pela solução real dos problemas.

A solução é compartilhar ao extremo

Em tempos passados quando poucos detinham acesso à informação, até poderia fazer sentido preservá-la na busca pela invenção da roda. Hoje, claramente isso é prejudicial (o debate de patentes médicas ilustra bem esse ponto) especialmente quando falamos de governo e bens públicos, pois somos nós que financiamos o ego dos gestores que sonham em re-inventar a roda. Todo mundo quer ser “o pai da criança bonita”.

Para estimular a inovação até grandes empresários estão abrindo suas patentes. Ao compartilhar, podemos acelerar o processo de criação e alcançar soluções novas e melhores. Vale lembrar que algumas instituições públicas fazem questão de convidar outras para conhecerem seus projetos e compartilhar conhecimento com as outras, e curiosamente são essas instituições que são vistas como modernas e inovadoras.

Comments

    1. André Tamura

      Hahaha pode ser também @guisarkis:disqus . Porém, da “criança feia” a paternidade é sempre do outro…

  1. ARY FILLER

    O EGO, COMO UM TERRIVEL AGENTE “DIFICULTADOR” , SEJA ELE O ENORME “EGO INDIVIDUAL” DOS GESTORES-CHEFE, SEJA O “EGO COLETIVO DA INSTITUICAO” ; ESSES TODOS NOS JA CONHECEMOS, E SABEMOS DOS SEUS NEFASTOS EFEITOS .

    POREM, CREIO QUE UM CONCEITO NOVO, ALGO COMO UM “MULTIEGO” , OU “POLIEGO” , DE UMA INSTITUICAO; BASEADO NOS ATUAIS COMPORTAMENTOS DE : COMPARTILHAMENTO, COLABORACAO, DESAPEGO, E EFICIENCIA COLETIVA, PODERIA SER MAIS DIVULGADO E APLICADO NA PRATICA !!

    CREIO QUE PARTE DISSO VCS JA VEM FAZENDO………………….E COM LOUVOR !!!!
    PARABENS !!!

    1. Laura Orlandi

      Olá, Ary, ficamos muito gratos com este comentário e ainda mais gratos por reconhecer a WeGov nessa luta contra essa característica dificultadora na luta por melhor desempenho, coletividade e inovação. A

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

@

Não ativo recentemente