Pular para a barra de ferramentas

A jornada do intraempreendedorismo

A minha jornada como intraempreendedora nos Correios (até então eu não sabia que eu já estava em uma) começou em 2014, quando tive o primeiro contato com o Design Thinking. Foi através do professor Álvaro Gregório e da WeGov, numa Oficina de Design Thinking no serviço público.

Esse encontro foi um “divisor de águas” na minha vida profissional: finalmente eu descobrira algo tão significativo e que realmente fazia sentido para mim. Iniciou-se ali um caminho sem volta, cheio de desafios e descobertas…

Como construir uma jornada intraempreendedora?


1. Descubra o que inspira você

Minha maior inspiração é o Design Thinking (DT): uma abordagem que tem um poder imensurável de inovar “para” e “com” as pessoas de forma colaborativa, empática e com baixo custo (experimentação), gerando assim serviços mais desejáveis para os usuários.

Selecionei um case (são inúmeros) que impactou a vida de milhares de famílias no mundo todo. Confira:

O desafio inicial era combater a mortalidade infantil. A ideia era criar “incubadoras” de bebês de baixo custo. Mas o grupo de alunos da D.School, aplicando a abordagem do DT, redefiniu a ideia e criou um dispositivo de aquecimento que deu a chance de milhões de bebês sobreviverem.


2. Acompanhe e se aproxime das suas inspirações

Sou muito fã (e usuária dos serviços) de empresas inovadoras como o Waze, Uber, Nubank, Airbnb e Netflix.

Estas empresas criaram negócios disruptivos por meio do design, revolucionando a forma como as pessoas se deslocam, gerenciam suas finanças pessoais, se hospedam e buscam entretenimento. Muitos tabus estão sendo derrubados diante da ousadia dessas ideias que surgiram sobre algo que as pessoas realmente desejavam. Estou sempre pesquisando o que acontece com essas empresas e atenta ao que os outros usuários comentam sobre elas.


3. Seja resiliente

De alguma forma você encontrará algumas barreiras pelo caminho para implantar sua ideia: “tem que esperar a nova gestão assumir”; “agora não dá, temos outras prioridades”; “isso aí não vai dar certo”. Mas temos que resistir aos “nãos”, e às vezes saber a hora de recuar um pouco e esperar uma nova oportunidade.


4. Não fique sozinho

Nada do que consegui fazer aqui nos Correios foi sozinha! O caminho é muito mais difícil sem aliados. Procure parcerias, pessoas entusiastas, inquietas, que questionam o “sistema” e sonham em mudá-lo. Mobilize e conecte essas pessoas (seja da sua instituição ou fora dela), pois elas provavelmente serão seus aliados no caminho para inovar.


5. Inovar é necessidade básica

Parto da premissa que todo o ser humano tem a necessidade de inovar, mesmo que os ventos sejam contrários. Tenho certeza que muitos servidores públicos querem fazer diferente, mas não sabem por onde começar.

Uma das possibilidades para incorporar uma visão inovadora é conhecendo o Design Thinking. A abordagem traz a inovação para o mundo real das pessoas. Foi por meio do DT (e suas inúmeras possibilidades e aplicabilidades) que foram surgindo oportunidades de realizar oficinas e aplicar algumas ferramentas em problemas reais dos Correios.


6. Experimente, tente, não tenha medo de errar

Transforme sua ideia num projeto (faça um canvas), envolva seus aliados, planeje sua execução e não tenha medo de errar. Dê pequenos passos, comece pelo setor que você trabalha. Esses pequenos passos lhe darão impulso para outro maior.

Realizações desta jornada

Aplicamos 3 oficinas sobre DT e impactamos 100 pessoas. A última oficina, realizada em abril de 2017, foi muito rica pois trabalhamos com desafios reais da área de educação e ampliamos o número de técnicas aplicadas, incluindo a pesquisa de campo. Os feedbacks sempre foram bastante positivos nas pesquisas de avaliação das oficinas.

Articulamos a participação dos Correios de SC no programa HubGov, envolvendo a alta direção e a área de educação. Estamos trabalhando num desafio complexo que se relaciona com diversas áreas (suporte, atendimento, operacional e comercial), e temos uma equipe multidisciplinar envolvida no projeto.

Ufa! Já fizemos tantas coisas em três anos! Mas nossas ideias estão cada vez mais audaciosas (que medo! Sim, você vai sentir medo e algumas coisas não vão dar certo). Nossa jornada até aqui foi muito intensa, às vezes cansativa, mas apaixonante!

Tirar o cérebro e as ideias do campo do óbvio e do nosso padrão mental não é um caminho fácil. Porém, quando as barreiras são transpostas e experimentamos esse novo mundo, não conseguimos (nem queremos) mais sair dele.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

@

Não ativo recentemente