Pular para a barra de ferramentas

Inovação: Chavões da moda em bom “português”!

*Publicado originalmente por Jennifer Guay, no Apolitical. Leia o original aqui. Traduzido e publicado com autorização prévia.

Os laboratórios e unidades de inovação tornaram-se tão populares no setor público que a questão “chegamos ao limite dos laboratórios?” Se tornou um clichê. Do “Ideation Pod” do MindLab aos “emblemas digitais” de Louisville, a cultura da inovação está se espalhando. Mas, apesar de sua popularidade, os inovadores têm que admitir um fracasso: eles simplesmente não são bons em definir o que fazem em termos diretos.

Essa confusão não se limita ao público em geral; os próprios inovadores discordam sobre o que muitas de suas palavras e frases mais distintas significam. Na primeira parte de uma série sobre chavões de inovação, damos uma leve olhada nos jargões da inovação do setor público – com comentários anônimos daqueles que estão inovando na prática – e traduzimos isso para o bom “português”.

Laboratórios de inovação

Os laboratórios de inovação são supostamente encarregados da experimentação – pense em um laboratório de ciências, mas para políticas. Mas os funcionários tendem a ficar nervosos quando perguntados sobre “Qual o impacto do seu trabalho?” E “O que exatamente você faz?” Um inovador disse: “Eu acho que eles desempenham alguma função, mas está tão na moda ter um laboratório que não fazemos perguntas sobre o quão efetivas elas realmente são. ”

Design thinking

Abominado por designers reais, o termo deve denotar um processo criativo, experimental e colaborativo em que um novo serviço ou produto é projetado com os usuários finais em mente. Na prática, muitas vezes envolve um grupo de pessoas pregando Post-its na parede .

Ideação

O processo criativo pelo qual os inovadores criam e desenvolvem ideias – uma parte crucial do pensamento de design. Ou, como diz uma pessoa: “jargão puro… usar esse tipo de linguagem é uma boa maneira de irritar todo mundo. É uma palavra que não significa nada. ”Os sinônimos incluem brainstorming, conceptualização e como um funcionário do laboratório se ofereceu, tendo uma“ sessão de injeção de inovação ”.

Co-design

Quando os usuários finais, muitas vezes os cidadãos, têm voz na construção de um produto ou serviço – não, como comumente se pensa, sempre que um grupo de pessoas se senta em uma sala e faz um brainstorm de ideias. “Mesmo pessoas altamente qualificadas usam o termo para significar que as pessoas fazem algo juntos”, disse um funcionário do laboratório. “Você não fez nada de novo ou diferente – você acabou de pensar em idéias.”

Inovação social

Lança, uma solução para questões sociais desafiadoras e geralmente sistêmicas. O termo é usado indistintamente por todos, de funcionários públicos a designers e consultores, todos com idéias variadas sobre o que isso significa. Uma inovadora confidenciou que trabalhou em uma agência de inovação social por anos e ainda se esforça para definir o termo. Independentemente disso, “inovação social” deveria sugerir uma solução de longo alcance para um problema intratável – não simplesmente instalar um piano público ou plantar uma horta comunitária.

Pensamento sistêmico

A ideia de considerar a inovação como um sistema complexo, em vez de um processo – um conceito tão vago que poucos entendem o que isso significa. Os laboratórios costumam afirmar que estão “repensando o sistema” e trabalhando para “mudar estruturas governamentais inteiras”. Mas “é uma daquelas coisas que todo mundo gosta de dizer, mas ninguém realmente faz”, disse um inovador. “Na realidade, muitos desses laboratórios não interagem com grandes sistemas.”

Insights comportamentais

A aplicação da ciência comportamental – o estudo do comportamento humano – para redesenhar serviços públicos, idealmente testados com um teste de controle randomizado antes de serem escalonados. Mas tornou-se moda rotular o uso de qualquer pesquisa sobre como os seres humanos se comportam com um “cutucão” (nudge). “A maioria das pessoas parece ajustar as palavras que enviam”, disse um inovador. “Você não está usando uma visão profunda do comportamento humano – você está apenas testando as comunicações.”


*Publicado originalmente por Jennifer Guay, no Apolitical. Leia o original aqui. Traduzido e publicado com autorização prévia.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

@

Não ativo recentemente